repo! the genetic opera [2008]

repo

A mente psicótica e sagaz de Darren Lynn Bousman está de volta após comandar três episódios da fastidiosa série Jogos Mortais. Na segunda, terceira e quarta [ufa!] continuação do filme do serial Jigsaw, o diretor se mostrou ágil com uma edição típica de videoclipes, câmeras nervosas, intermináveis travellings acelerados e pulsava terror e agonia em suas cenas. De original não tinha nada, mas funcionava. Esse estilo acabou desagradando pelo excesso: de uma boa idéia para os primeiros trabalhos, se tornou extremamente cansativo a medida que cada longa da série era lançado e aquela linguagem novamente seria utilizada. Sua carnificina retornou – dosada em quantidade, mas as poucas cenas são uma aula de anatomia humana -, desta vez, musicada.

Meu receio era Bousman transformar Repo! The Genetic Opera num extenso videoclipe, algo que saberia fazer muito bem – o resultado, porém, seria desastroso. Entretanto, as poucas semelhanças com seus trabalhos anteriores se resumem aos litros de sangue cenográfico utilizados e a fotografia em alguns momentos pode trazer uma leve referência quando investe em cores e luzes fortes. No mais, o diretor não arrisca e capta a cantoria sem malabarismos, deixando para o requinte visual e as vozes dos atores sobressaírem e cumprirem seus papéis. Logo após o prelúdio em forma de história em quadrinhos que resume o necessário para adentrarmos na narração, o designer de produção cria um universo próprio para o filme; é um novo tempo – “um futuro não muito distante” como é dito – e um novo mundo dominado pela escuridão, onde as cirurgias plásticas e a GeneCo – empresa que as financia em troca de um alto [quase sempre mortal] preço para a população sobrevivente da epidemia de falência de órgãos – emanam horror com seu domínio. Realçado pela fotografia e figurinos exóticos, o tom dark presente em cada cenário não torna apenas Repo! um longa atraente, mas é capaz de inserir o espectador num mundo diferente e próprio daqueles personagens.

O longa conta apenas com diálogos cantados, então nada de piruetas e números coreografados, um estilo seguido por boa parte dos musicais recentes. Composto de muito rock, o musical não possui nenhuma canção memorável, que faça o público sair cantarolando do cinema, mas há músicas excelentes como “Legal Assassin”, “21st Century Cure”, “Chase the Morning” e “I Didn’t Know I’d Love You So Much” que valem diversas conferidas mesmo sem as imagens. Ironicamente, a pior do elenco trata-se de Alexa Vega, a personagem principal do filme; sua voz é por diversas vezes irritante, ora beirando a uma mistura de Avril Lavigne com Hillary Duff [arrepiou-se?], mas consegue, apesar de tudo, fazer um bom trabalho. Porém, os maiores destaques ficam por conta de Anthony Head [sua voz me lembrou muito  a de Carl Anderson, o Judas de Jesus Cristo Superstar], dono da melhor voz do filme; Paul Sorvino, passando a autoridade e poder do personagem com seu tom grave; e Sarah Brightman, uma perfeita cantora lírica e a voz mais doce da obra. E não precisa temer Paris Hilton: ela está inofensiva.

Desta forma, Repo! possui mais acertos do que erros, os quais se tornam mais notáveis no último ato. Além de um desfecho corriqueiro e parcialmente vago [tudo indica que pode haver uma continuação], os últimos momentos do musical se restringem a tal Genetic Opera do título, que, ao ocorrer apenas num palco de teatro, não favorece o bom ritmo presente até então. Somente neste instante a cantoria causa um leve desconforto, já que o roteiro também não favorece, carregando tudo com revelações e conflitos que surgem e precisam se resolver antes que o filme termine. Apesar de uma sequência musical realmente ruim [“Seventeen”], Repo! The Genetic Opera é, no mínimo, interessante por unir terror e musical de modo harmônico, tornando-se um bom representante de cada gênero.

nota | 7,5
mais informações | cinema em cena, imdb

Anúncios

és miranda, mi amor!

miranda

Como não houve outro assunto por aqui que não fosse o Oscar, numa sequência quase interminável e ininterrupta de 17 [!] posts, resolvi quebrar a monotonia com… música. Há tempos queria comentar sobre uma banda não muito conhecida por aqui no Brasil, mas que chegou até a mim através de uma amiga – graças a um outro amigo que começou tudo  – e em menos dois meses se tornou facilmente uma das minhas preferidas e uma das mais rodadas aqui no PC [estatísticas do Last.FM informam que o grupo ocupa a segunda posição no meu ranking com mais de 1.400 faixas tocadas].

E isso em apenas dois meses. Fica o dilema: ou meu ouvido não tem lá tanto senso crítico ou fiquei viciado num som realmente de qualidade. Como acredito na segunda hipótese, resolvi compartilhar a música que iniciou essa pequena obsessão – e aí vocês tiram suas próprias conclusões. Falo de Miranda! [com ponto de exclamação, assim como Moulin Rouge!], uma banda argentina – seu slogan é o título do post – formada em 2001 e encabeçada por Alejandro Sergi, o qual compõe também canções para o grupo. O que me chamou atenção foi o estilo divertido e descontraído presente nas letras e no ritmo; o som mistura batidas eletrônicas com algo meio pop e o resultado é, acima de tudo, alegre e para cima. E bastante diferente, apesar de já terem dito ser um Cansei de Ser Sexy argentino. Já foi ganhadora do Prêmio Gardel e tem sua discografia composta por  três álbuns – os dois mais recentes são perfeitos.

Como minha relação com música se restringe unicamente ao sensitivo, é melhor não divagar  sobre as tendências, influências e por aí para não saírem equívocos; prefiro deixar o clip de “Don”, que, segundo o Last, se tornou a mais ouvida entre todas [todas!] minhas músicas. É viciante, a ouço ainda diversas vezes por dia e não me canso. Já mostrei para alguns amigos e a impressão nem sempre é agradável. Mas ouça você mesmo e diga o que achou – apesar do clip ser bem legal, só ouvir é suficiente. Se terá o mesmo efeito ocorrido em mim, não sei, mas espero que gostem.

oscar 2009 | comentários e vencedores

dannyboyle

Cerimônia diferente e mais musicada do que de costume, prêmios esperados [apesar que de ter acerado somente 17 das 24 categorias] e Quem Quer Ser um Milionário? levando 8 [!] estatuetas para casa. Seu favoritismo não era surpresa, mas o filme de Danny Boyle saiu-se melhor do que eu imaginava – nada mais exagerado, por exemplo, que o seu Oscar de Melhor Mixagem de Som, desbancando os grandes trabalhos de O Cavaleiro das Trevas e Wall-E. Enquanto alguns premiados não me agradaram, não tenho ressalvas quanto a cerimônia em si – com exceção dos inúmeros comerciais. Toda a inovação, inclusive o “mix” das canções originais e, principalmente, a apresentação das categorias de atuação, contribuiu para uma noite agradável. O maior problema é, novamente, eu não ganhar um ano de cinema grátis na promoção do Cinemark, já que não fiz pontos suficientes.

| O MELHOR DO OSCAR 2009

–  Os números musicais comendados por Hugh Jackman.
– O discurso de Dustin Lance Black ao receber o prêmio por seu roteiro de Milk – A Voz da Igualdade.
– Penélope Cruz recebendo o Oscar.
– A apresentação das trilhas sonoras e canções originais.
– O Oscar póstumo para Heath Ledger.
– Amy Adams

| O PIOR DO OSCAR 2009

– O vestido da Hannah Montana
– A premiação do Sean Penn, somente porque preferia Mickey Rourke.
Quem Quer Ser um Milionário? faturando [quase] tudo.
– Zac Efron e Alicia Keys apresentando as categorias musicais.

| OS VENCEDORES

Melhor Filme | Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Diretor | Danny Boyle [Quem Quer Ser um Milionário?]

Melhor Ator | Sean Penn [Milk – A Voz da Igualdade]

Melhor Atriz | Kate Winslet [O Leitor]

Melhor Ator Coadjuvante | Heath Ledger [Batman – O Cavaleiro das Trevas]

Melhor Atriz Coadjuvante | Penélope Cruz [Vicky Cristina Barcelona]

Melhor Roteiro Original | Milk – A Voz da Igualdade

Melhor Roteiro Adaptado | Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Filme de Animação | Wall-E

Melhor Fotografia | Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Montagem | Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Mixagem de Som | Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Edição de Som | Batman – O Cavaleiro das Trevas

Melhores Efeitos Visuais | O Curioso Caso de Benjamin Button

Melhor Direção de Arte | O Curioso Caso de Benjamin Button

Melhor Figurino | A Duquesa

Melhor Maquiagem | O Curioso Caso de Benjamin Button

Melhor Trilha Sonora | Quem Quer Ser um Milionário?

Melhor Canção Original | “Jai Ho” [Quem Quer Ser um Milionário?]

Melhor Documentário | Man on Wire

Melhor Filme Estrangeiro | Departures [Japão]

Melhor Curta-Metragem Documentário | Smile Pinki

Melhor Curta-Metragem | Spielzeugland [Toyland]

Melhor Curta-Metragem de Animação | A Casa de Pequenos Cubos [La maison en petits cubes]

oscar 2009 | melhor filme e diretor + considerações finais

É, quase que não dá tempo. Na verdade, como acho difícil alguém ler esse post antes da cerimônia que terá início daqui a poucas horas [ansiedade mode on],  na prática, acabou não dando tempo mesmo. Ainda tive que ser bem mais sucinto nas últimas categorias – as quais incluem também as desse post -, o que não me agradou muito. Mas espero que os seis leitores que acompanham o blog tenham gostado de ler os posts tanto quanto eu gostei de escrevê-los. Devido à correria, não pude interagir nos comentários e isso não foi legal. Mas agradeço de verdade a todos que comentaram – opiniões bastante pertinentes que quase mudaram meus palpites –  e não tornaram minha experiência solitária. Obrigado mesmo.

Abaixo, finalmente as duas principais categorias. E, apesar de tudo, bom Oscar para nós. =)

_____________________
|

oscar_filme

oscar_diretor

[Para uma opinião mais embasada, clique nos títulos para ler sua resenha] Eis as duas grandes categorias da premiação. Eis, também, as duas piores categorias do ano. Apenas um filme selecionado merecia a indicação e, por incrível que pareça, é o longa de Ron Howard, Frost/Nixon. Logo este diretor de qualidade duvidosa entregou um excelente filme [nem tão] político e uma direção surpreendente se comparada a de seus trabalhos anteriores. Infelizmente, o filme sairá sem nenhum prêmio e tudo indica que Danny Boyle e seu Quem Quer Ser um Milionário? serão os grandes favoritos. E torno a dizer: gosto do filme, só não gosto da posição onde foi colocado.  Tendendo para um estilo de direção atípico na sua carreira, David Fincher faz de O Curioso Caso de Benjamin Button uma obra tocante apesar de seus problemas, mas com o tempo vai caindo no esquecimento. Nem de longe é seu melhor trabalho e não merece ser premiado. Já Gus Van Sant e Stephen Daldry nem sequer deveriam estar entre dos finalistas. Milk – A Voz da Igualdade, como disse em outra categoria, não me agradou pelo tom demasiado político e O Leitor, por ter boa parte da história fragilmente desenvolvida, acabou se tornando um filme apenas bom. Não é da ciência de nós, meros mortais não-membros da Academia, o sentido para a exclusão de filmes excelentes, bastante superiores aos indicados, como Batman – O Cavaleiro das Trevas, O Lutador, Dúvida e The Visitor. E devo estar sozinho nessa, mas ainda prefiro – com folga – Foi Apenas um Sonho, Vicky Cristina Barcelona e Queime Depois de Ler a qualquer um dos finalistas. E justamente por conta desses esquecimentos, o Oscar 2009 foi uma piada – de mau gosto.

Trocando em miúdos…

-> MELHOR FILME

| Os indicados
Frost/Nixon
Milk – A Voz da Igualdade
O Curioso Caso de Benjamin Button
O Leitor
Quem Quer Ser um Milionário?

| O que mudaria
Sai: Milk – A Voz da Igualdade, O Curioso Caso de Benjamin Button, O Leitor e Quem Quer Ser um Milionário?
Entra: Batman – O Cavaleiro das Trevas, Dúvida, O Lutador e The Visitor

| Meu Oscar vai para…
Frost/Nixon

| And Oscar goes to…
Quem Quer Ser um Milionário?

|
-> MELHOR DIRETOR

| Os indicados
– Danny Boyle [Quem Quer Ser Um Milionário?]
– David Fincher [O Curioso Caso de Benjamin Button]
– Gus Van Sant [Milk – A Voz da Igualdade]
– Ron Howard [Frost/Nixon]
– Stephen Daldry [O Leitor]

| O que mudaria
Sai: David Fincher, Gus Van Sant, Stephen Daldry
Entra: Andrew Stanton [Wall-E], Christopher Nolan [O Cavaleiro das Trevas] e Darren Aronofsky [O Lutador]

| Meu Oscar vai para…
Ron Howard [Frost/Nixon]

| And Oscar goes to…
Danny Boyle [Quem Quer Ser Um Milionário?]

Categorias comentadas | Melhor Canção Original | Melhor Figurino | Melhor Mixagem e Edição de Som | Melhor Direção de Arte | Melhor Maquiagem | Melhor Montagem | Melhor Fotografia | Melhores Efeitos Visuais | Melhor Trilha Sonora | Melhor Filme de Animação | Melhor Roteiro Original | Melhor Roteiro Adaptado | Melhor Ator | Melhor Ator Coadjuvante | Melhor Atriz Principal e Coadjuvante